Ana səhifə

Adubações e substratos para cultivo de Kalanchoe luciae Raym. Hamet (Crassulaceae) mantido sob diferentes malhas de sombreamento


Yüklə 22.97 Kb.
tarix17.06.2016
ölçüsü22.97 Kb.
Adubações e substratos para cultivo de Kalanchoe luciae Raym.-Hamet (Crassulaceae) mantido sob diferentes malhas de sombreamento
Lessa, M.A1, Paiva, P.D.de O.2, Alves, C.M.L.3, Resende, M.L.4

Doutoranda pelo Departamento de Agricultura da Universidade Federal de Lavras (UFLA). CP. 3037, Lavras – MG, Brasil CEP 37200-000. Profa. Dra., Departamento de Agricultura – UFLA.



2 Graduanda – Agronomia – UFLA.

3Mestranda pelo Departamento de Agricultura – UFLA.

4 Prof. Dr. Departamento de Biologia – UFLA.

E-mail: marilialessa@terra.com.br


Resumo
As suculentas apresentam grande importância comercial, apesar disso, são poucas as informações sobre o cultivo destas plantas. Assim, esse experimento foi realizado com o objetivo de avaliar o desenvolvimento de mudas de Kalanchoe luciae em diferentes substratos, adubações, sombreamentos e alterações espectrais. O experimento foi conduzido no Setor de Floricultura e Paisagismo do Departamento de Agricultura da UFLA. As mudas foram mantidas sob diferentes malhas de sombreamento: tela fotoconversora vermelha e azul, Sombrite (tradicional) preto com sombreamento de 30% e 50% e, a pleno sol. Foram dispostas em um delineamento de blocos casualizados, com parcelas subdivididas no tempo, em esquema fatorial, com tratamento adicional na parcela e tempo na subparcela. Avaliou-se número de folhas, altura, diâmetro de planta, diâmetro da 5ª folha. As plantas dispostas sob Sombrite 30% e no substrato padrão (1 terra:1 vermiculita:1 areia) enriquecido com carvão triturado, apresentaram-se ideais à comercialização.
Introdução
O Kalanchoe luciae é originário do Zimbábue, Moçambique, República da África do Sul e Suazilândia (Eggli, 2003) e comumente conhecido como orelha-de-elefante ou orelha-de-padre. É uma planta glabra (sem pêlos) e recoberta por uma camada farinácea branca. A coloração das folhas varia de verde-acinzentada a verde-amarelada, tendo as margens tingidas de vermelho (Eggli, 2003).

No cultivo de plantas ornamentais, o cultivo protegido é fundamental, sendo empregado na grande maioria das produções comerciais. Além do uso de estufas existe outra tecnologia à disposição do produtor: são as malhas sombreadoras que podem ser utilizadas isoladamente ou em associação com as estufas, produzindo, assim, uma condição microclimática apropriada para o desenvolvimento do cultivar, reduzindo, principalmente, os efeitos nocivos de uma alta taxa de incidência da radiação solar (Grinberger et al., 2000) e proteção aos extremos de temperatura, além de evitar a entrada de insetos voadores (Shahak et al., 2001).

A seleção do substrato tem fundamental importância no crescimento e no desenvolvimento das plantas (Kämpf, 2000). Dificilmente, em um único material, são encontradas todas as características para uso como substrato. Devido a isso, torna-se necessário o uso de condicionadores, como areia, produtos de compostagem, casca de arroz carbonizada, fibra de xaxim, isopor, dentre outros, para proporcionar melhorias às propriedades do substrato de cultivo. A escolha do condicionador deve estar baseada em análise de solo, bem como na experiência pessoal (Kämpf, 2000; Salvador, 2000).

Além de servir como suporte para as plantas, o substrato também tem a função de regular a disponibilidade de nutrientes para as raízes. A adubação é necessária para o bom desenvolvimento das plantas, sem interrupções no crescimento. Do ponto de vista comercial, há substratos com adição ou não de adubo. Na maior parte dos substratos comerciais para mudas, o adubo está em quantidade suficiente apenas para a fase inicial de crescimento. Pressupõe-se que o crescimento deve ser controlado pelo produtor, por meio de adubação criteriosa e balanceada (Minami, 2000).

Assim, objetivou-se avaliar nesse trabalho substratos e adubações para o desenvolvimento de Kalanchoe luciae, cultivadas em diferentes malhas de sombreamento.
Material e métodos

Os experimentos foram conduzidos no Viveiro de Plantas Ornamentais da Universidade Federal de Lavras (UFLA), no município de Lavras, localizado na região sul do estado de Minas Gerais, a 918 m de altitude, latitude 21°13’40”S e longitude 44º57’50”W GRW e precipitação média anual de 1.411 mm.

Foram utilizadas mudas de Kalanchoe luciae Raym.-Hamet, com 6 cm de altura e 12 cm de diâmetro. As plantas foram adubadas com cloreto de potássio (KCL) e/ou adição de carvão vegetal triturado. Os substratos utilizados foram Latossolo vermelho escuro (LVE) (distrófico e textura argilosa), areia e vermiculita, na proporção 1:1:1 e fibra de coco (Misto 98 Amafibra). As mudas foram mantidas sob diferentes malhas de sombreamento: tela fotoconversora vermelha e azul, Sombrite (tradicional) preto com sombreamento de 30% e 50% e, ainda, a pleno sol.

Os tratamentos foram constituídos: 1) substrato padrão (malha vermelha);


2) padrão + carvão (malha vermelha); 3) padrão + KCl (malha vermelha); 4) padrão + carvão + KCl (malha vermelha); 5) fibra de coco (malha azul); 6) substrato padrão (malha azul); 7) padrão + carvão (malha azul); 8) padrão + KCl (malha azul); 9) padrão + carvão + KCl (malha azul); 10) fibra de coco (malha azul); 11) substrato padrão (preto 30%); 12) padrão + carvão (preto 30%); 13) padrão + KCl (preto 30%); 14) padrão + carvão + KCl (preto 30%); 15) fibra de coco (preto 30%); 16) substrato padrão (preto 50%); 17) padrão + carvão (preto 50%); 18) padrão + KCl (preto 50%); 19) padrão + carvão + KCl (preto 50%); 20) fibra de coco (preto 30%); 21) substrato padrão (pleno sol); 22) padrão + carvão (pleno sol); 23) padrão + KCl (pleno sol); 24) padrão + carvão + KCl (pleno sol); 25) fibra de coco (pleno sol).

O delineamento experimental foi blocos casualizados, com parcelas subdivididas no tempo, em esquema fatorial, com um tratamento adicional na parcela e tempo na subparcela, 4 repetições e 2 plantas por parcela.

As avaliações foram realizadas 60 dias após o plantio até 90 dias após a instalação do experimento quando as plantas já se apresentavam tamanho ideal para a comercialização. Observou-se o número de folhas, altura, diâmetro de planta e da 5ª folha.

Os resultados observados foram submetidos à análise de variância com auxílio do programa SISVAR® (Ferreira, 2000), utilizando o teste de Scott Knott, a 5% de probabilidade, para comparação entre as médias dos tratamentos.


Resultados e discussão
Avaliando-se o número médio de folhas formadas nas plantas, os Sombrites 30% e 50% foram as malhas que proporcionaram a formação de maior número de folhas por planta. Contrapondo as plantas que apresentaram o menor número de folhas das plantas de K. luciae quando não receberam nenhum tipo de sombreamento.

De maneira geral, a malha azul e a pleno sol favoreceram o maior crescimento em altura e o Sombrite preto 30% o menor crescimento. Sendo assim, o Sombrite preto 30% é o mais indicado para o cultivo do K. luciae, pois, não é interessante comercialmente ter plantas altas e sim, plantas compactas, encartuchadas e com maior numero de folhas, como já foi observado ara esta malha.

Plantas com maior diâmetro foram formadas, na presença de carvão e na ausência de KCl.

Quando cultivadas a pleno sol, as plantas apresentaram-se completamente vermelhas, na tonalidade do vermelho-escuro. Na malha vermelha e na preta 30%, as plantas obtiveram a coloração mais avermelhada apresentaram-se simetricamente equilibradas em número de folhas, diâmetro e altura, sendo as mais indicadas a um mercado mais exigente. Na malha azul, a coloração apresentou-se de uma forma menos avermelhada, sendo a menos aconselhável para a comercialização. A preta 50% proporcionou a formação de plantas de coloração habitual, surgindo a possibilidade de comercialização. Para todos os sombreamentos, as plantas cultivadas na fibra de coco permaneceram com a coloração avermelhada mais intensa que as demais cultivadas no substrato padrão.


Conclusão
Ao cultivar o K. luciae sob sombreamentos, substratos e adubos diferentes, as plantas dispostas sob Sombrite 30% e no substrato padrão (1 terra:1 vermiculita:1 areia) enriquecido com carvão triturado, apresentaram-se ideais à comercialização.

Referências Bibliográficas

Eggli, U. Crassulaceae: illustrated handbook of succulent plants. Germany: Springer, 2003. 506 p.

Grinberger, A.; Shomon, M.; Ganelevin, R. Shading nets tesing. Israel: “Torah Va’aretz” Institute, Kfar

Daron, 2000.

Kämpf, A.N. Produção comercial de plantas ornamentais. Guaíba: Agropecuária, 2000. 254 p.

Minami, K. Adubação de substrato. In: Encontro nacional sobre substratos para plantas, 1., 1999,

Porto Alegre. Resumos... Porto Alegre, RS: Gênesis, 2000. p.147-152.

Salvador, E.D. Caracterização física e formulação de substratos para o cultivo de algumas

ornamentais. 2000. 148 p. Tese (Doutorado em Agronomia. Produção Vegetal)-Escola Superior de

Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP.

Shahak, Y. et al. Análisis de redes sombreadas com diversas cualidades ópticas sobre la producción

de flores. Informe del primer año del Fondo del Científico Jefe del Ministério de Agricultura, Israel,



2001.




Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©kagiz.org 2016
rəhbərliyinə müraciət